Adesão ao MMM

domingo, 25 de julho de 2021 Voltar

Dia da mulher negra: CNM e MMM convidam gestoras para falar sobre representatividade

Agência CNM

No Dia Nacional da Mulher Negra, celebrado neste domingo, 25 de julho, a Confederação Nacional de Municípios (CNM) e o Movimento Mulheres Municipalistas (MMM) debatem com gestoras os desafios para a representatividade na política e os caminhos possíveis para ampliar a participação desse grupo. Apenas nove das 658 prefeitas eleitas no último pleito se declararam de cor preta no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) - hoje, com alterações em mandatos, como falecimento de prefeitos, hoje são 677 mulheres à frente das cidades e 10 delas negras. Durante a semana, a Agência CNM de Notícias divulgará materiais sobre a temática no site, na rádio e nas redes sociais.

Lançado em 2017, o MMM - primeiro movimento municipalista feminino apartidário do Brasil - foca na união de gestoras em prol dos Municípios e de maior inserção das mulheres na política. No cenário em que as mulheres, segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral, representam mais da metade da população (51,8%) e do eleitorado (52%) brasileiro, mas foram apenas 15,7% dos eleitos nos Municípios no último pleito, em 2020, a importância de discutir o tema é inegável.

De acordo com estatísticas do TSE, apenas nove prefeitas eleitas em 2020 se declararam pretas. Delas, uma está no Sudeste, em Minas Gerais, uma em Tocantins (Região Norte) e sete são de Municípios do Nordeste. Uma delas é a prefeita de Lagoa do Carro (PE), Judite Botafogo, que está em seu terceiro mandato. Criada na área rural com acesso apenas à alfabetização durante a infância, ela elenca três pontos principais que afastam a mulher negra da política: tempo, poder econômico e preconceito.

“A mulher tem funções múltiplas, tarefas domésticas, por exemplo. O segundo ponto é que o poder econômico das mulheres é quase sempre menor do que dos homens. E a terceira grande dificuldade para baixa representatividade é porque ela também é vítima do preconceito”, resume. A prefeita lembra que a discriminação pela cor da pele se soma ainda ao preconceito de classe social. “A mulher negra sofre o preconceito da cor, vista pela população como menos estudada, com menos acesso ao conhecimento, e isso é um grande gargalo no caminho da política.”

Ao pontuar que vencer todas essas barreiras não é fácil, a prefeita - que, antes, tornou-se professora - lista o que é preciso para encarar o desafio de entrar na política contra todas as estatísticas. “É preciso ser ousada, atrevida, corajosa, para enfrentar, romper os preconceitos e dizer assim ‘eu também posso, eu também tenho voz’. A maioria se intimida, é afrontada e isso causa o medo e afasta a mulher negra da política”, lamenta. O caminho para romper com esse ciclo ela relembra: “Foi no ensino, na educação que eu fui me conscientizando”.

Dentro do MMM, na busca pela ampliação da representatividade de mulheres, há uma atenção específica com as mulheres negras. Fundadora do MMM, Tania Ziulkoski pondera que 27% da população feminina do país se declara negra, mas que esse percentual também não se reflete nas candidaturas e representantes eleitos.

Na última eleição municipal, entre 68.243 pessoas eleitas, apenas 545 são mulheres que se declararam pretas no TSE - entre prefeitas, vices e vereadoras. No nível federal, o cenário não é diferente. A última eleição - em 2018 - levou apenas seis mulheres ao Senado e 77 à Câmara dos Deputados. Assim, elas representam apenas 2% do Congresso Nacional.

Da Agência CNM de Notícias