Adesão ao MMM

sexta, 26 de novembro de 2021 Voltar

Mais duas representações regionais: lançados os MMMs Santa Catarina e Ceará

TaniaO lançamento do Movimento Mulheres Municipalistas (MMM) de Santa Catarina e do Ceará ocorreu nesta sexta-feira, 26 de novembro. Chamado Movimento de Mulheres Catarinenses, o ato de instituição da organização voltada ao fortalecimento da mulher do Sul aconteceu na parte da manhã e contou com a presença de representantes da Confederação Nacional de Municípios (CNM). Durante os dois eventos, por meio de vídeo, a fundadora do MMM, Tania Ziulkoski, parabenizou as novas representações regionais.

A municipalista mostrou satisfação pelo crescimento do movimento e da participação feminina na política, mas ressaltou que a representatividade tem potencial para crescer ainda mais. “Fico feliz em saber que o tão sonhado MMM tem se fortalecido e gerado novos frutos, como esse braço do nosso movimento que está sendo lançado hoje. Quando sonhamos o MMM, pensamos na construção de um movimento de união das mulheres que atuam no municipalismo. O ano de 2020 foi de mudanças quando analisamos a participação feminina na política local. Conseguimos recordes, mas ainda me entristece em pensar que nos orgulhamos no patamar de aumento 16% de mulheres eleitas {vereadoras}, pois somos mais de 52% da população e do eleitorado”, discursou.

Prefeitas e deputadas federais e outras autoridades, além de diretores da Federação Catarinense de Municípios (Fecam) participaram do lançamento do MMMC. De modo geral, a sessão solene destacou a importância de unir forças para combater a violência contra a mulher. Em suas falas, as deputadas Caroline De Toni (PSL) e Carmen Zanotto (Cidadania) lembraram da importância de uma atuação efetiva no enfrentamento à violência contra mulher. Assim como a deputada Caroline, a diretora Executiva da Fecam, Sisi Blind, mencionou a atuação da CNM nesse aspecto. “De nada vale discurso se não houver o gesto, a atuação e a atitude", disse o presidente da Fecam, Clenilton Pereira, ao ceder seu lugar na mesa de abertura às prefeitas presentes.

A analista técnica da área de Mulheres e Juventude da CNM, Thais Mendes, também acompanhou o lançamento em Santa Catarina e destacou a temática da violência política de gênero. “A régua usada quando uma mulher é eleita, é muito elevada. A experiência de uma mulher ocupando um espaço de poder pode influenciar a eleição de outras. Por isso, é fundamental realizar uma boa gestão. Além disso, a criação de movimentos como esse são fundamentais para unir as mulheres. Apenas assim, quando vítimas de uma situação de violência política de gênero poderão se fortalecer e não abaixar a cabeça”, pontuou.Thalytinha 4 RED

Ceará
No início da tarde, foi a vez do Estado do Ceará oficializar a sua representação do MMM em cerimônia realizada no auditório da Associação dos Municípios do Estado do Ceará (Aprece) que reuniu autoridades locais. Em seguida, os componentes contaram suas experiências ao assumir cargos públicos representativos e expuseram as dificuldades enfrentadas no exercício do mandato. A deputada Augusta Brito, que já foi gestora, enfatizou a busca pelo reconhecimento. “Eu já fui prefeita. Existe o desafio de você estar na prefeitura e te respeitarem como prefeita. É uma batalha para conseguir isso, apesar de ter sido eleita e ter capacidade para resolver os problemas do Município”, considerou.

A fala da parlamentar foi endossada pela secretária Socorro França. “Estamos vivendo um momento em que a gente precisa se afirmar”, disse. A solenidade de abertura foi encerrada com a participação da representante do governo do Ceará, Carla Silva, que trouxe informações sobre as ações do executivo em relação às políticas públicas assistencialistas de gênero.

Pauta nacional
Após a solenidade de abertura, a programação do evento seguiu com a realização de painéis temáticos. A CNM teve novamente espaço na programação no painel que tratou o MMM e a pauta nacional: avanços e desafios. A diretora técnica da entidade, Thalyta Alves, fez um histórico do surgimento do MMM, parabenizou os participantes pela iniciativa de criar o MMM estadual, listou algumas demandas que fazem parte da pauta prioritária e pediu o apoio para buscar novas conquistas municipalistas.

“É importante colocar que o MMM precisa ser fortalecido. Eu tenho certeza de que o MMM do Ceará vai se consolidar cada vez mais e dar voz às mulheres em todos os âmbitos de discussão. Isso vai permitir que os gestores tragam benefícios para a sua população e a CNM está à disposição. Pedimos o engajamento das mulheres para a Mobilização Municipalista dos dias 14 e 15 de dezembro, onde vamos trazer pautas importantes”, destacou ao lembrar de conquistas recentes do movimento municipalista, como o repasse adicional de 1% do Fundo de Participação dos Municípios (FPM).

Presidindo a Mesa, a prefeita de Catunda, Ravena Fernandes, considerou que a luta das mulheres deve ser diária e contínua para que sirva de referência para outras gerações. “A gente tem que entender a nossa competência e inspirar outras para jovens que nos vejam como exemplo”. Ao final do painel, os participantes esclareceram dúvidas com a representante da CNM.


Por: Raquel Montalvão e Allan Oliveira

Da Agência CNM de Notícias